Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

auroramadaleno

auroramadaleno

11
Out19

O Ti António Céu

Aurora Madaleno

O Ti António Céu

 

Era o tempo das castanhas piladas. Nos caniços, colocados nas cozinhas por cima das lareiras, as castanhas já tinham secado o suficiente para serem pisadas, descascadas e comidas ou postas à venda aos negociantes que as vinham comprar directamente aos produtores da aldeia.

Na nossa casa não havia caniço. Era na casa do meu Avô Madaleno que se colocava o caniço todos os anos no mês de Novembro, logo a seguir à Festa de Todos os Santos ou, pelo menos, a seguir ao São Martinho.

Os castanheiros do Vale da Maria tinham produzido bem. Estavam carregados de castanhas. A família e os amigos ajudaram a apanhar as castanhas espalhadas pelo chão. Alguns ramos dos castanheiros foram abanados para as castanhas se soltarem dos ouriços. Havia ouriços caídos no chão que era preciso britá-los ou simplesmente abri-los melhor com um jeito de sapato ou dois pauzitos. Com as mãos não se atreviam, que os espinhos aguçados picam os dedos oh...! Enchiam as cestas de castanhas que iam despejar nas sacas de serapilheira dispostas ao longo do souto dos castanheiros. As sacas eram carregadas no carro de bois e trazidas para a loja da casa.

Farturinha de castanhas! Escolhiam-se as mais grossas para cozer e as mais miúdas para assar ou para subir para o caniço. Os negociantes apareciam a comprar todas as que o meu Pai e o meu Avô Madaleno quisessem vender.

Mas vamos às castanhas piladas...

Tanto que eu gostava de ver o Ti António Céu a pisar as castanhas!

Eu e as minhas amigas Maria Campinhas e Isabelinha Malhadas interrompíamos a brincadeira para subirmos a escaleira da vizinha e vermos o Ti António Céu dentro do cesto, agarrado com as mãos ao batente da porta e com as pernas a dançar para a esquerda e para a direita quase sem levantar os pés. Que giro! Ele ria-se para nós e nós dávamos gargalhadas umas para as outras. E ficávamos a admirar a dança do Ti António Céu ... e a vê-lo ir com as mãos ao fundo do cesto e trazer um par de castanhas a que tirava o resto da casca e distribuía por nós as três meninas curiosas. Eram as castanhas dondinhas que ele nos dava: castanhas que não tinham secado bem e nós mastigávamos com muito agrado. Eram docinhas e dondinhas! Dondinhas quer dizer molinhas.

Aos sete anos vim para a Escola, já na Guarda, e nunca mais vi o Ti António Céu.

Agora, quando compro castanhas piladas e me aparece uma dondinha, fico contente a saborear o doce e a saudade das castanhas que nos dava o Ti António Céu - o homem que, em quase todas as casas de Vale de Espinho, pisava as castanhas tiradas dos caniços. Tinha jeito para essa tarefa e a sua disponibilidade dava para angariar alguma retribuição que também jeito lhe daria.

 

Aurora Martins Madaleno

11
Nov11

S. Martinho

Aurora Madaleno

Dia de S. Martinho

 

S. Martinho foi um santo

Mas de castanhas gostava

Não as levava no manto

Diz onde é que ele as levava

 

No manto rosas levava

Rainha de Portugal

S. Martinho cavalgava

Mas deixou outro sinal

 

Dando agasalho a um pobre

Que encontrou pelo caminho

Mostrou seu coração nobre

Repartindo com carinho

 

Metade da sua capa

Divide com o infeliz

A quem sua nudez tapa

É a história que o diz

 

De castanhas nós falamos

No dia de S. Martinho

E na adega nós provamos

Um pouco do novo vinho

 

Se as castanhas são assadas

E a pipa já se abriu

São tradições festejadas

Que o povo sempre sentiu

 

Que castanhas saborosas

E que vinho tão clarinho

Nem o milagre das rosas

Faz esquecer S. Martinho

 

11.11.2011

Aurora Madaleno

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub