Quarta-feira, 4 de Maio de 2016

Renda de prédio urbano

renda de prédio urbano

 

O contrato de arrendamento urbano deve ser celebrado por escrito. Tenhamos presente que o locador é o senhorio e que o locatário é o arrendatário ou inquilino. O locado é o prédio ou a parte do prédio arrendada.

O locatário deve pagar a renda do locado ao senhorio. A renda corresponde a uma prestação pecuniária periódica. Na falta de convenção em contrário, se as rendas estiverem em correspondência com os meses do calendário gregoriano, a primeira vencer-se-á no momento da celebração do contrato e cada uma das restantes no 1.º dia útil do mês imediatamente anterior àquele a que diga respeito. Havendo acordo escrito, o pagamento da renda pode ser antecipado por período não superior a três meses.

O pagamento da renda deve ser efectuado no domicílio do locatário à data do vencimento, se as partes ou os usos não fixarem outro regime. Constituindo-se o locatário em mora, esta pode cessar se o locatário fizer o pagamento no prazo de oito dias a contar do seu começo. Perante a recusa do locador em receber as importâncias das rendas em atraso, pode o locatário recorrer à consignação em depósito bancário.

A falta de pagamento da renda igual ou superior a dois meses é fundamento de resolução do contrato de arrendamento.

Se as partes não estipularem, por escrito, a possibilidade de actualização da renda e o respectivo regime, aplica-se o regime legal geral segundo o qual a renda pode ser actualizada, anualmente, de acordo com os coeficientes de actualização vigentes. A primeira actualização pode ser exigida um ano após o início da vigência do contrato e as seguintes, sucessivamente, um ano após a actualização anterior. Para efeitos de actualização da renda, o senhorio comunica ao locatário, por escrito e com a antecedência mínima de 30 dias, o coeficiente de actualização e a nova renda dele resultante. Se o senhorio não fizer a actualização da renda, só poderá recuperar os aumentos aplicando os coeficientes dentro do prazo de três anos sobre a data em que teria sido inicialmente possível a sua aplicação.

 

Aurora Madaleno

(In: VilAdentro, Ano XVIII, N.º 208, Maio 2016, p.12)

 

publicado por Aurora Madaleno às 22:13
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
27


.posts recentes

. Assembleia da República

. Regime de bens no casamen...

. Debate instrutório

. O Referendo

. O Divórcio

. Casamento de português no...

. O nosso "Carlos"

. Assistência religiosa nas...

. O Ministério Público

. Gestação de substituição

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds