Segunda-feira, 14 de Novembro de 2016

Declarações para memória futura

DECLARAÇÕES PARA MEMÓRIA FUTURA

 

A notícia de um crime dá lugar, quase sempre, à abertura de inquérito.

O inquérito visa investigar a existência de crime, determinar os seus agentes e a responsabilidade deles e descobrir e recolher as provas, em ordem à decisão sobre a acusação.

A direcção do inquérito cabe ao Ministério Público, assistido pelos órgãos de polícia criminal.

A requerimento do Ministério Público, da autoridade de polícia criminal em caso de urgência ou de perigo na demora, do arguido ou do assistente, o juiz de instrução pratica actos que estão previstos na lei e para os quais só ele tem competência.

Pode também, o juiz de instrução, a requerimento do Ministério Público, do arguido, do assistente ou das partes civis, em caso de doença grave ou de deslocação para o estrangeiro de uma testemunha, que previsivelmente a impeça de ser ouvida em julgamento, bem como nos casos de vítimas de crimes sexuais, proceder à sua inquirição no decurso do inquérito, a fim de que o depoimento possa, se necessário, ser tomado em conta no julgamento.

O dia, a hora e o local da prestação do depoimento são comunicados ao Ministério Público, ao arguido, ao defensor e aos advogados do assistente e das partes civis, para que possam estar presentes se o desejarem.

A inquirição é feita pelo juiz de instrução, podendo o Ministério Público, o arguido, o defensor, os advogados do assistente e das partes civis solicitar ao juiz a formulação de perguntas adicionais. O juiz de instrução pode autorizar que eles mesmos façam as perguntas.

O conteúdo das declarações é reduzido a auto. Ficam apensas ao auto, ou devidamente guardadas depois de seladas, numeradas e identificadas com o processo a que se referem, as folhas estenografadas e as fitas estenotipadas ou gravadas.

São as denominadas declarações para memória futura.

 

Aurora Madaleno

(In: VilAdentro, Novembro 2003, p. 12)

 

publicado por Aurora Madaleno às 01:10
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
27


.posts recentes

. Assembleia da República

. Regime de bens no casamen...

. Debate instrutório

. O Referendo

. O Divórcio

. Casamento de português no...

. O nosso "Carlos"

. Assistência religiosa nas...

. O Ministério Público

. Gestação de substituição

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds