Sábado, 20 de Janeiro de 2018

Assistência religiosa nas prisões

ASSISTÊNCIA RELIGIOSA NAS PRISÕES

 

Nos estabelecimentos prisionais é prestada assistência espiritual e religiosa a todo o recluso que a solicite, directamente ou através dos seus familiares ou ainda de outros cuja proximidade seja significativa e se presuma ser essa a sua vontade. Em princípio, a solicitação é feita no momento do ingresso do recluso no estabelecimento prisional, mas pode também ser feita em qualquer momento posterior.

Pode a assistência ser prestada por iniciativa do assistente religioso da igreja a que o recluso declarar pertencer. Esse assistente pode prestar serviço regular no estabelecimento prisional ou, em casos devidamente fundamentados e desde que não implique custos para o estabelecimento, ser designado pelo próprio recluso.

Os assistentes religiosos católicos são designados pelo Bispo da diocese local de quem dependem no exercício da sua actividade pastoral. Esses assistentes são portadores de documento que atesta essa sua qualidade. Podem ser auxiliados por colaboradores habilitados com credencial emitida para o efeito pela Igreja Católica.

A assistência religiosa é prestada em locais designados para o efeito, em condições de privacidade e segurança e fora do horário normal de visitas. Um dos locais de culto é atribuído, em permanência, à Igreja Católica, podendo esse local ser partilhado também por outras confissões cristãs, se tal for necessário.

Para que tudo funcione organizadamente, deverão ser acordadas entre o director do estabelecimento prisional e os assistentes religiosos, um conjunto de normas sobre os dias, horas e locais de atendimento pelos assistentes, de celebração de actos de culto e de formação.

A prestação de assistência espiritual e religiosa nos estabelecimentos prisionais deve respeitar a liberdade de consciência, de religião e de culto, bem como as regras de ordem e segurança em vigor no estabelecimento.

 

Aurora Madaleno

(In: VilAdentro, Maio 2010, p. 12)

publicado por Aurora Madaleno às 21:46
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
27


.posts recentes

. Assembleia da República

. Regime de bens no casamen...

. Debate instrutório

. O Referendo

. O Divórcio

. Casamento de português no...

. O nosso "Carlos"

. Assistência religiosa nas...

. O Ministério Público

. Gestação de substituição

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds