Quinta-feira, 13 de Julho de 2017

União de facto

União de facto

 

A união de facto é a situação jurídica de duas pessoas que, independentemente do sexo, vivam em condições análogas às dos cônjuges há mais de dois anos. Não pode invocar união de facto quem tiver idade inferior a 18 anos, quem tiver demência notória, interdição ou inabilitação por anomalia psíquica e quem tiver casamento não dissolvido e não lhe tiver sido decretada a separação de pessoas e bens. Também não podem invocar união de facto parentes na linha recta ou no 2.º grau da linha colateral ou afins na linha recta.

Hoje em dia, a união de facto, embora se não possa equiparar ao casamento, pode ser considerada como uma relação familiar, pelo que lhe é devido um adequado e correspondente relevo e protecção. Há direitos e benefícios atribuídos, em vida ou por morte, a quem provar viver em união de facto, tais como o benefício do regime jurídico equiparado ao aplicável a pessoas casadas, em matéria de férias, feriados, faltas e licenças, assim como o direito de preferência na colocação dos trabalhadores da Administração Pública. Gozam, ainda, de protecção da casa de morada de família, em caso da ruptura da união de facto e em caso de morte do membro da união de facto, de protecção social na eventualidade de morte do beneficiário, de prestações por morte resultante de acidente de trabalho ou doença profissional e de pensão de preço de sangue e por serviços excepcionais prestados ao País, aplicando-se-lhes os respectivos regimes jurídicos.

Sempre que a entidade responsável pelo pagamento das prestações referidas entenda que existem fundadas dúvidas sobre a existência da união de facto, deve promover a competente acção judicial com vista à sua comprovação.

A união de facto dissolve-se por vontade de um dos seus membros, com o falecimento de um dos membros, ou com o casamento de um dos membros. Os membros da união de facto não integram a classe de sucessíveis. O membro sobrevivo da união de facto tem direito a pensão de sobrevivência.

 

Aurora Madaleno

(In: VilAdentro, Ano XIX, N.º 223, Agosto 2017, p.20)

 

publicado por Aurora Madaleno às 19:37
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
27


.posts recentes

. Assembleia da República

. Regime de bens no casamen...

. Debate instrutório

. O Referendo

. O Divórcio

. Casamento de português no...

. O nosso "Carlos"

. Assistência religiosa nas...

. O Ministério Público

. Gestação de substituição

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds