Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2016

Protecção do dador vivo de órgãos

PROTECÇÃO DO DADOR VIVO DE ÓRGÃOS

  

Hoje em dia, são conhecidos os desenvolvimentos científicos em matéria de dádiva e colheita de órgãos em vida para fins de transplante. A vantagem é que um órgão de um dador vivo é transplantado minutos depois de ter sido extirpado. A dádiva é voluntária e não remunerada. É um procedimento comum, cuja selecção de dadores vivos obedece a regras rigorosas de avaliação. Existem, no entanto, riscos que lhe estão associados, os quais justificam um regime de protecção do dador vivo que permita, quer aos dadores vivos quer às unidades de colheita e transplante, dispor da garantia de que os danos relacionados com a dádiva e colheita de um órgão são compensados.

A lei que estabelece o regime dos actos que tenham por objecto a dádiva e colheita de órgãos, tecidos e células de origem humana, para fins terapêuticos ou de transplante, bem como às próprias intervenções de transplante, prevê o direito do dador a ser indemnizado pelos danos sofridos no decurso do processo de dádiva e colheita, independentemente de culpa, ocorridas no território nacional. Cabe aos estabelecimentos onde se realizam actos de dádiva e colheita em vida assegurar esse direito.

Assim, estão previstas prestações em caso de morte, invalidez definitiva ou de internamento hospitalar decorrente de complicações do processo de dádiva e colheita, para além do seguro de vida obrigatório do dador vivo de órgãos, que os estabelecimentos hospitalares pelas referidas prestações devem celebrar para garantia das mesmas.

A garantia das prestações inicia-se no dia do internamento do dador para a realização da colheita e termina cinco anos após a colheita. A verificação dos eventos susceptíveis de accionar a garantia das prestações fica sujeita a declaração de uma junta médica.

 

 

Aurora Madaleno

(In: VilAdentro, Ano XVIII, N.º 205, Fevereiro 2016, p.12)

 

publicado por Aurora Madaleno às 23:38
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2016

Cuidados paliativos

Cuidados paliativos

  

É já do nosso conhecimento que quem sofrer doença grave e irreversível, em fase avançada, pode receber os cuidados adequados ao respeito pelo seu direito a uma intervenção que diminua o seu sofrimento, incluindo uma terapêutica sintomática apropriada. Esses cuidados são designados por cuidados paliativos e centram-se na prevenção e alívio do sofrimento físico, psicológico, social e espiritual, na melhoria do bem-estar e no apoio aos doentes e às suas famílias. Mas tenhamos em atenção que há diferença entre os designados cuidados paliativos e os outros designados cuidados continuados de saúde. Não são a mesma coisa. Enquanto os primeiros são para aliviar o sofrimento decorrente de doença incurável ou grave, em fase avançada e progressiva, os segundos visam a reabilitação, a recuperação do doente.

Segundo a lei de Bases dos Cuidados Paliativos, são «cuidados paliativos» os cuidados activos, coordenados e globais, prestados por unidades e equipas específicas, em internamento ou no domicílio, a doentes em situação em sofrimento decorrente de doença incurável ou grave, em fase avançada e progressiva, assim como às suas famílias, com o principal objectivo de promover o seu bem-estar e a sua qualidade de vida, através da prevenção e alívio do sofrimento físico, psicológico, social e espiritual, com base na identificação precoce e do tratamento rigoroso da dor e outros problemas físicos, mas também psicossociais e espirituais. São «cuidados continuados de saúde» o conjunto de intervenções sequenciais de saúde e ou de apoio social, decorrente de avaliação conjunta, centrado na recuperação global entendida como o processo terapêutico e de apoio social, activo e contínuo, que visa promover a autonomia melhorando a funcionalidade da pessoa em situação de dependência, através da sua reabilitação, readaptação e reinserção familiar e social.

Seja nos cuidados paliativos, seja nos cuidados continuados de saúde, os profissionais devem respeitar a autonomia, a vontade, a individualidade, a dignidade da pessoa e a inviolabilidade da vida humana.

 

Aurora Madaleno

(In: VilAdentro, Ano XV - N.º 167, Dezembro 2012, p. 12)

 

publicado por Aurora Madaleno às 21:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
27


.posts recentes

. Assembleia da República

. Regime de bens no casamen...

. Debate instrutório

. O Referendo

. O Divórcio

. Casamento de português no...

. O nosso "Carlos"

. Assistência religiosa nas...

. O Ministério Público

. Gestação de substituição

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds