Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

auroramadaleno

auroramadaleno

01
Dez16

1.º Encontro entre Universidades, por uma Universidade Intergeracional

Aurora Madaleno

1º Encontro entre Universidades (Outubro de 2001, na Reitoria da Universidade de Lisboa)

por uma Universidade Intergeracional

 

As Universidades e Academias Seniores

  

As Universidades da 3ª Idade tendem a ser comunidades autónomas de saberes e competências dedicadas à educação e ao conhecimento.

Cada uma tem o seu projecto educativo próprio e autónomo.

Cada uma procura estabelecer interacção com a comunidade e o território em que se insere.

É seu propósito contribuir para dar resposta às exigências de desenvolvimento do País quanto à formação das pessoas adultas e idosas de nível superior.

 

O ensino é ministrado, quase sempre, em regime de voluntariado e de troca de saberes, quer entre os mais velhos, quer para outras pessoas interessadas em aumentar e variar as áreas da sua cultura sem, contudo, aspirarem a obtenção de diplomas ou de graus académicos.

Os padrões de qualidade inerentes ao ensino superior são muito variáveis. Algumas conseguiram já atingir um bom nível educacional e desenvolvem actividades sócio-culturais que as não envergonham perante estabelecimentos públicos ou particulares reconhecidos oficialmente.

Alunos que frequentam as universidades tradicionais já começam a aparecer nas nossas Universidades da 3ª Idade, para frequentarem as aulas e assistirem às nossas conferências culturais e debates sobre temas muito variados e da actualidade, bem como para participarem nas nossas actividades artísticas. A título de exemplo, posso referir que tenho uma aluna da Licenciatura em Psicologia que, ao sábado, frequenta as minhas aulas de Direito e nas tardes de sexta-feira assiste às conferências culturais que promovemos durante este ano 2001.

Assim como temos alunos que são médicos ainda a exercerem em clínicas, empresários e funcionários públicos ainda no activo.

 

Estes estabelecimentos a que chamamos Universidades para a Terceira Idade ou Academias começaram a nascer em Portugal e noutros países da Europa nos anos 80 do século passado (XX).

Muitas delas impulsionadas por associações cujo objectivo era ocupar os tempos livres dos idosos e aprofundar o seu saber e a sua cultura.

Os lares e os centros de dia davam já alguma resposta às necessidades de acompanhamento e de convívio às pessoas idosas, doentes ou sem apoio da família.

Mas havia, ainda, uma franja de necessidades a que dar resposta. Era preciso ajudar a manter o ritmo de vida aos que se reformavam, aos que perdiam emprego, aos que ficavam sem os filhos ou sem o/a companheiro/a.

Era preciso manter acesa a chama do gosto pelo saber, pelo debate de temas científicos ou da vida do dia a dia. Manter a actividade intelectual.

Era preciso, ainda, proporcionar que muitos comunicassem a outros muitos o que aprenderam, experimentaram e viveram até ali.

E as Universidades para a 3ª Idade nasceram, visando a integração e manutenção do idoso na sociedade, através da promoção de actividades culturais, artísticas, desportivas e recreativas, bem como do desenvolvimento da investigação e publicação das suas obras quando de qualidade.

Com ou sem o apoio do Estado, mas nasceram. E estão aí. Com o nome de associações, de academias, de escolas, de universidades.

 

As comunidades deram estas respostas aos problemas que sentiram.

O crescimento da percentagem de pessoas com mais de 65 anos ocasionou este movimento, designadamente entre grupos de pessoas que se aposentavam.

A Igreja viu desabrochar muitas delas nas suas instalações.

Algumas autarquias locais tentam ajudar.

Mas é, sobretudo, o entusiasmo e a carolice dos professores e alunos que os levam a fazerem estas experiências tão interessantes, à sua custa.

 

O poder político vai ter que olhar esta realidade e apoiar estas iniciativas.

Cada vez teremos mais idosos. Os jovens devem ajudar os idosos a actualizarem os seus conhecimentos. E também eles podem aproveitar e aprender com estes exemplos de vida, porque as Universidades da Terceira Idade são autênticos espaços de cultura, convívio e alegria.

O diálogo intergeracional tem que ser promovido.

Penso que deste 1º Encontro Nacional poderá sair o compromisso de se organizarem encontros regionais sobre o mesmo tema, envolvendo as próprias Associações Académicas.

 

Termino saudando os responsáveis pela organização deste Encontro, os Representantes do ME, do MT, do CRUP, da Associação das Universidades Privadas e o Magnífico Reitor desta Universidade de Lisboa que nos acolheu.

A iniciativa e a presença de V. Exas são um estímulo para nós. BEM HAJAM!

  

Lisboa, 30 de Outubro de 2001

(em nome das Universidades e Academias da Terceira Idade)

Aurora Martins Madaleno

(presidente do Conselho Directivo da ULTI)

 

 

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D