Quarta-feira, 17 de Julho de 2013

Transmissão do arrendamento

TRANSMISSÂO DO ARRENDAMENTO

  

Arrendamento é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição (renda).

O arrendamento para habitação transmite-se nalgumas situações. Vejamos o que acontece em caso de divórcio ou de separação judicial de pessoas e bens e no caso de morte do inquilino.

No primeiro caso, os cônjuges devem acordar sobre qual deles fica com o arrendamento da casa que até aí era a morada de família. Se não chegarem a acordo, terá que ser o tribunal a decidir, com base, nomeadamente, na necessidade de cada um e os interesses dos filhos. A decisão deverá ser comunicada oficiosamente ao senhorio.

No caso de morte do inquilino, o arrendamento transmite-se ao cônjuge sobrevivo que ali tem residência. Se não forem casados mas viverem em união de facto ou em economia comum, num caso e noutro há mais de um ano, também à morte do inquilino o arrendamento se transmite ao que lhe sobrevive, desde que residisse na casa há mais de um ano.

A transmissão ao arrendamento, ou a sua concentração no cônjuge sobrevivo, deve ser comunicada ao senhorio, no prazo de três meses, juntando cópia dos documentos comprovativos, sob pena de ter que indemnizar o senhorio por todos os danos resultantes da omissão.

Pode acontecer que a pessoa sobreviva tenha outra casa, própria ou arrendada, na área dos concelhos de Lisboa ou do Porto e seus limítrofes ou no respectivo concelho quanto ao resto do País. Nesse caso, não terá direito à transmissão do arrendamento por morte do inquilino.

  

Aurora Martins Madaleno

(In: VilAdentro, Ano xv, N.º 174/175 Julho/Agosto 2013, p.12)

publicado por Aurora Madaleno às 00:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. A Acusação

. Apoio social às mães e pa...

. Águas particulares

. Leis eclesiásticas

. União de facto

. O vínculo da adopção

. Dos animais

. A usucapião

. Universidade de Lisboa pa...

. Português por naturalizaç...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds